Simplesmente Ciana: Saudades da minha ousadia

Saudades da minha ousadia


Hoje visitei uma galeria de arte e caminhei lentamente pelo espaço. Eu via pessoas, eu via quadros, eu via tudo, menos eu mesma. Foi um momento tão confuso porque eu queria ver as obras, porém os quadros ficaram em segundo plano.

Me senti estranha no meio daquelas pessoas, umas sorridentes, outras tagarelas e outras mal se ouvia a voz, elas apenas observavam atentamente a arte exposta. Algumas gesticulando e com seus celulares registrando a exposição que eu estava e não estava ao mesmo tempo. Eu não era humana, era apenas um objeto como outro qualquer. Eu simplesmente era como uma quadro naquela parede, estático e sendo analisado por quem passava por mim. Talvez fosse fotografada ao lado de outra peça de enorme valor sem perceber por um descuido de alguém afoito pelo click.

Certamente eu seria uma ótima modelo, caso algum pintor quisesse usar seus pincéis e tintas para eternizar os olhos fundos, cheio de olheiras e as roupas do dia a dia, mais práticas  para combinar e serem jogadas na máquina de lavar. Ninguém me qualificou nesse sentido e não recebi nenhum convite, eu não era nenhuma Mona Lisa, apesar do meu olhar enigmático e um pouco perturbador. De repente o problema não era eu e sim a ausência de Leonardo da Vinci, ou quem sabe já estava pronta e só faltava a moldura e alguém disposto a me pendurar na parede com os demais. Acho que faltou boa vontade e me deixaram no chão, no canto esquerdo daquela imensa sala.

No canto esquerdo havia  também uma  enorme mesa de designer moderno, a tampa era de vidro e não tinha os pés comuns, parecia que flutuava sobre um oito, na verdade era um infinito esculpido nas cores branca e preta que brilhavam e qualquer míope conseguia enxergar. Creio que não me colocaram ali por acaso, estava tão cansada de tudo, de mim que acabei estagnando. A mesa virou meu divã.

As curvas, as cores, o vidro e o brilho me fizeram pensar em mim. Com o passar do tempo a minha maturidade foi me enclausurando. Me acostumei sempre com o mesmo caminho, o reto parecia ser mais seguro, eu só escolhia as cores mais fáceis de combinar, e eram sempre as mesmas. Eu não me permitia seguir um outro trajeto, fazer um desvio. Eu não me permitia colorir meu mundo com cores diferentes, a paleta era única pois eu julgava que a praticidade era a regra sempre, talvez nem seria regra e sim o comodismo de arrumar meu guarda-roupa constantemente da mesma forma.

Eu tinha medo de me cortar e não ser capaz de juntar os cacos, perder algum pedaço e ficar incompleta. Eu tinha medo do brilho ofuscar meus olhos e não ter um óculos Dior, tão lindo e caro.
Na verdade, esse medo todo era falta de ousadia. Sair da minha zona de conforto, do habitual e que não me satisfazia mais e eu não compreendia que era isso que tanto me incomodava.

Não existe vida sem rotina, entretanto é possível mudar sua rotina de vez em quando. Ser escravo dela não é saudável e isso me matava aos poucos. Eu era uma pessoa imóvel no leito da UTI sem perceber, vendo a vida passar lá fora pelo vidro da sala. Com receio da queda, da incerteza, do novo.

Ah saudades da minha ousadia, quando eu balançava sem medo de cair. Quando eu ralava meus joelhos, chorava, e depois continuava a brincar como se a dor fosse tão pequena diante do que eu tinha pela frente. Alguns tropeços, empurrões, puxadas de cadeira, rasteiras da vida.

Sentia falta de quando eu era criança porque eu ousava, eu não tinha medo do desconhecido, do perigo. Isso tudo pensei olhando uma mesa sofisticada e eu tão simples, perdida dentro de uma galeria, dentro de mim mesma. 

Saí da galeria, os quadros ficaram para trás, e deixei aquela mulher no mesmo canto esquerdo em que ela própria se colocou e erroneamente culpava as outras pessoas. Só levei a vontade de ousar, estilhaçar quando for preciso, ser mais flexível, ter outras tonalidades e não se esconder da luz mesmo quando for necessário ter um óculos e ele não ser importado.

Muitas vezes é preciso sair do confinamento que nós mesmos nos colocamos, se aventurar mais. Hoje foi a primeira vez que fiz um programa sozinha, eu achava esquisito sair sozinha para esses lugares sem nenhuma companhia. Não sei nem de quem eram os quadros, nunca me interessei por pinturas. Eu nunca tinha visto uma exposição de quadros mas a galeria era próxima ao restaurante e como eu estava na hora do almoço e sem fome, eu resolvi entrar.

Algumas portas precisam ser abertas mesmo que você entre e saia de lá sozinha, com alguém ou deixe para trás o que precisa ser mudado. Talvez eu volte novamente e aprecie as obras do artista, ou quem sabe eu sente sobre aquela mesa linda, vestida com meu tubinho preto, usando meu batom vermelho e cruze as pernas com meu salto agulha. Não precisa ser uma cruzada de pernas como a de Sharon Stone, mas será a minha cruzada de pernas, aquela sem medo de ousar e nem um pouco preocupada com os olhares reprovadores.



Este post faz parte da Blogagem Coletiva Relâmpago do Grupo Café com Blog.
 👀Blogs participantes:
Retipatia 💗 Jardim Literário 💗 Metamorphya 💗  Profano Feminino 💗 Dose de Poesia 💗 Jubirubs




Comentários do facebook
26 Comentários do Blogger

26 comentários:

  1. Menina! Adorei como você usou as palavras e a imagem da proposta da blogagem. Texto tão gosto de ler, um modo diferente de ver as coisas e, quem nunca passou por momentos assim em que precisamos perder o medo de nós mesmos e nos redescobrirmos de algum modo não é? Dá vontade de repensar tantas coisas que às vezes perdemos por não sair da 'zona de conforto'. Amei! Beijos beijos!

    Metamorphya•••

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Bruna! Eu amei a imagem, me veio a cabeça tantas possibilidades. Até que me decidi por esse caminho.Sim, realmente dá vontade de pensar e repensar muitas coisas. bjs

      Excluir
  2. Quando nós prendemos na nossa zona de conforto abrimos mão de muitas coisas, e entre elas acabamos abrindo mão de quem somos, nos deixando de lado para sermos esquecidos aos poucos. Temos que ter ousadia para aceitar quem somos e arriscar naquilo que acreditamos que nos traga felicidade.

    Gostei da maneira que você desenvolveu o tema!

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse tema foi maravilhoso, vi que cada uma seguiu um caminho, histórias diferentes. Eu amei, também penso como você.
      Obrigada!

      Excluir
  3. Olá, tudo bem? Adorei o seu texto, ficou ótimo! Acho bacana essas blogagens coletivas, que nos inspiram a fazer um post.

    Beijos,
    Duas Livreiras / Sorteio de 5 KITS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Larissa. São ótimas mesmo, adoro essas blogagens. bjs

      Excluir
  4. Eu amei seu texto! Super sincero e senti a verdade em cada palavra e foi muito bem escrito. O modo como você juntou as palavras do desafio e junto em um texto cheio de críticas tão bem relacionadas a vida que estamos acostumados a levar. Querer mais de nós mesmos é nossa obrigação! Querer ser melhor, se sentir bem, viver o lado ousado e descontraído de nós mesmos! Adorei mesmo!
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Rê! Me sinto lisonjeada com suas palavras. Eu fiquei muito feliz com esse texto, acho que consegui passar exatamente o que eu queria. bj

      Excluir
  5. Queria muito ter feito essa blogagem,mas perdi o prazo.Adorei suas palavras, parabéns pela criatividade.bjus

    ResponderExcluir
  6. Novamente um texto super gostoso de ler. Você arrasa muito. Gostei e a gente sente cada palavra e cada sentimento.
    Beijos
    #ascariocasby

    ResponderExcluir
  7. Aee parabéns pelo texto!!! Excelente!!! Conheci esse desafio a pouco e achei legal demais!!!

    Barbara

    ResponderExcluir
  8. Diversas vezes eu já me questionei. Quem eu sou? Um tempo depois de entrar na faculdade, eu passei por uma re-construção de mim. E é realmente isso! Esse medo, essa falta de ousadia... A gente acaba entrando na rotina e deixando a vida no piloto automático. Precisamos tomar as rédeas! Buscar em nosso interior coisas que nos façam felizes! Amei seu texto e os questionamentos que trouxe à tona. <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Nathália! Isso acontece e muito, também passei por isso. Só que chega uma hora que precisamos mudar essa rotina né. bjs

      Excluir
  9. Amei o seu texto, como sempre né?! Senti sinceridade em cada palavra, você usou elas muito bem! Querer o nosso melhor a cada dia! Inspirador! Bjuus!

    ResponderExcluir
  10. Gostei bastante,muitas vezes a sair da zona de conforto é o caminho e a ousadia faz a diferença para voltarmos a nos reconhecermos :)
    Beijos ^.^

    ResponderExcluir
  11. Hoje eu ainda me pergunto quem eu sou? o que estou fazendo da vida? qual é o meu proposito? Mas eu procuro de vezes em quando ousar um pouco, como quando ano passado colori meu cabelo de roxo. Esse sempre foi meu sonho e eu não permiti que o medo do que as pessoas iam pensar me impedissem de algo algo que queria tanto. Precisamos ser mais assim na vida

    https://deixacombinado.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso acontece e muito Nani, eu também passei por isso, mas se a gente não der o primeiro passo continua a mesma coisa não é. bjs

      Excluir
  12. "Algumas portas precisam ser abertas mesmo que você entre e saia de lá sozinha" é a mais pura verdade. É preciso ousar, é preciso arriscar, caso contrário nada é feito!

    ResponderExcluir
  13. preciso levar teu texto pra vida! odeio fazer as coisas sozinha. nunca fui ao cinema sozinha acredita? perdi de ver muuuitos filmes no telão por essa bobagem!
    quem sabe um dia ahuhauhauah

    como diz a musica "vamos nos permitir" não é mesmo?!

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também tinha essa dificuldade, aos poucos estou vencendo isso. Já fui pior.rsrs
      bjs

      Excluir



Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *